PROJETO
CAIXA DE CULTURA

Natureza do projeto
Formação de mediadores ou agentes de leitura, Promoção do acesso ao livro (feiras, blogs, sites etc), Criação / aperfeiçoamento de espaços da leitura/bibliotecas, Formação de leitores em geral e de leitores de literatura, Valorização / campanhas de promoção da leitura


Organização responsável:
.


Categoria da organização




A Caixa de Cultura tem por missão atender aos trabalhadores da indústria e familiares, com ações que visam dinamização e o acesso à leitura por meio da cultura do livro; e a apreciação estética, através das artes visuais. Para tanto tem atuação em duas vertentes: o empréstimo domiciliar de publicações e exposições fotográficas itinerantes.


A área de Difusão Literária do SESI-SP realiza a conceituação, curadoria e aquisição do acervo, monitorando as atividades pertinentes ao serviço. As unidades de Caixa de Cultura, situadas nos centros de atividades de cada cidade, respondem pela operação, mediação e atendimento direto às indústrias, que complementam essa parceria indicando o agente de leitura, colaborador capacitado pelo SESI-SP a desenvolver a divulgação do acervo para os demais colaboradores, agindo como mediador de leitura.


Específico: Promover o acesso à literatura e às exposições fotográficas


Gerais: Formação de leitores e incentivo à leitura; Promoção da leitura; A formação do leitor e da “família leitora”; Acesso às diversas categorias de artes visuais; Potencialização do desenvolvimento cultural.


Idealizado há 70 anos, permanece fiel ao seu objetivo de incentivo ao desenvolvimento sociocultural do trabalhador na industria, por intermédio das artes - literatura e visuais, em vista dos benefícios que proporciona ao individuo, ampliando seu domínio do discurso, possibilitando-lhe conhecer, refletir criticamente e desenvolver suas capacidades de atuar sobre a realidade, formando cidadãos atuantes no exercício da cidadania, contribuindo para melhorar sua comunidade e sociedade.


A Caixa de Cultura é um programa de empréstimos de livros dentro das fábricas e empresas atendidas pelo Sesi-SP. Os acervos itinerantes, que já ocupam mais de mil indústrias paulistas, são uma forma de estimular a leitura e facilitar o acesso aos livros. São mais de 200 mil exemplares disponíveis por ano. A cada quatro meses o acervo é renovado e os usuários podem escolher entre os mais diversos títulos, gêneros e autores, sem nenhum custo. Também são realizadas mediações de leitura e de exposições fotográficas itinerantes que acompanham as caixas.


Principais inspirações ou referências teóricas e práticas



Nair Miranda Pirajá se formou, em 1942, em Biblioteconomia, na FESPSP – Fund. Escola de Sociologia e Política de São Paulo. A jovem bibliotecária, durante uma viagem pela Europa, teve contato com o histórico de diferentes modalidades do serviço de Bibliotecas Circulantes e, em seu retorno ao Brasil, teve o interesse em implantar um serviço semelhante no país. Fez isso no exército brasileiro, durante a 2ª Guerra Mundial. O SESI-SP adotou a ideia e implantou em 1948 a Caixa de Cultura.


Ao longo da minha minha vida profissional, atuando no Programa Caixa de Cultura, foram vários os cursos/treinamentos realizados para aprimorar minhas habilidades/aptidões na realização do meu trabalho: PUC SP, FESPSP, UNESP, SESI-SP, SENAI-SP, FEBAB, Instrumenta, Além Consultoria em Cultura, Integração Escola de Negócios.


Não.


Em artigo publicado em 1945, escrito em parceria com Nair Miranda Pirajá e Carmen Lorena, “A democratização da cultura por meio das bibliotecas ambulantes”, são relatadas experiências de projetos de leitura itinerantes em vários países, até chegar à Biblioteca Ambulante do Exército Brasileiro, que inspirou o Programa Caixa de Cultura do SESI-SP.


O hábito da leitura é de grande importância para a vida profissional e social das pessoas, uma vez que a leitura é essencial para um processo de aprender satisfatório. No entanto, o interesse pela leitura, no Brasil, ainda é apresentado com números parcos. A leitura é precária no país. Mas, não podemos deixar de ressaltar que pessoas, que, em algum momento da vida tiveram acesso a leitura e recebem incentivo, tornam-se leitores.


Foram intensificadas as mediações de leitura, na indústria, (usuário final do programa) e capacitação aos mediadores culturais e agentes de leitura.


Ao final de cada mês as unidades realizam a mensuração dos dados do Programa Caixa de Cultura, por meio do preenchimento de relatórios (quantitativos/qualitativos). Em comemoração aos 70 anos do Programa Caixa de Cultura, estamos produzindo um livro e pesquisas foram realizadas para levantamento de informações sobre o programa. Chegamos a relatos, depoimentos de muitas pessoas que, ao longo do tempo se beneficiaram da Caixa de Cultura. Tornando-se leitores.


Não


Franca: encurtador.com.br/pxLU0 Ribeirão Preto: encurtador.com.br/jqvRX Presidente Prudente: encurtador.com.br/fBDV7 Escritor Manuel Filho: encurtador.com.br/cmCN5 Facebook: encurtador.com.br/ciwV3


Não.





01/04/1948


Sim, o Projeto acontece atualmente


Brasil - Região Sudeste - SP -


comunidade em geral, trabalhadores


0 a 5 anos, 6 a 12 anos, 13 a 17 anos, 18 a 59 anos, mais de 60 anos


feminino, masculino, transgênero

Número de pessoas atendidas


1000000


72000


96000


80000


0


Até 2013 eram 13 acervos, que emprestavam uma média de 30.000 livros/ano. Atualmente, são 40 acervos, espalhados pelo Estado de São Paulo, que emprestam uma média de 100.000 livros/ano. São emprestados, portanto, uma média de 200 livros/mês em cada unidade.

Equipe


1


0


0


1


0


40


2



Informe se o projeto conta somente com recursos próprios (100%) e/ou se conta com patrocínios ou outros apoios financeiros. Se possível, informe (entre parênteses) como esses recursos se distribuem percentualmente para custear o projeto

100


0


0


0



Quais organizações e/ou instituições são parceiras e como apoiam o projeto

-


-


-


-


-

Cadastrado em: 09/18
Atualizado em: 21/09/2018