Notícias
< voltar

Em quatro anos, o número de leitores no Brasil diminuiu cerca de 4,6 milhões

14/09/2020

Em quatro anos, o número de leitores no Brasil diminuiu cerca de 4,6 milhões

No dia 14 de setembro, o Instituto Pró Livro e o Itaú Cultural lançaram os resultados da quinta edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, o maior e mais completo estudo sobre os hábitos de leitura no país.  O objetivo da pesquisa é conhecer o comportamento do leitor brasileiro, a partir dos cinco anos


No dia 14 de setembro, o Instituto Pró Livro e o Itaú Cultural lançaram os resultados da quinta edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, o maior e mais completo estudo sobre os hábitos de leitura no país. 

O objetivo da pesquisa é conhecer o comportamento do leitor brasileiro, a partir dos cinco anos de idade, medindo a intensidade, forma, limitações, motivação, condições de acesso ao livro – impresso e digital – pela população, orientado para contribuir com as políticas públicas e expandir o público leitor.

De acordo com os dados da pesquisa, atualmente o Brasil conta com 52% de leitores (ou 100,1 milhões de pessoas), o que representa uma diminuição de aproximadamente 4,6 milhões de leitores em relação à edição anterior da pesquisa, de 2015, quando o percentual de leitores era de 56%. 

Com exceção da faixa etária entre 5 a 10 anos, que apresentou um acréscimo de 4 pontos percentuais na proporção de leitores, todas as outras faixas de idade apresentaram estabilidade ou decréscimo na proporção de leitores entre as duas edições da pesquisa. As principais reduções ocorreram entre adolescentes de 14 a 17 anos e jovens de 18a 24 anos e entre indivíduos com nível de escolaridade médio e superior. O decréscimo atingiu também todas as faixas de renda familiar.

Apesar dessa redução no percentual de leitores, a média de livros lidos em um período de três meses se manteve estável – passou de 2,54 em 2015 para 2,60 em 2019.

‍O brasileiro leu 1,05 livro por inteiro, contra 1,06 em 2015, enquanto os livros lidos em parte foram em média 1,55 em 2019 contra 1,47 em 2015. Nos três meses anteriores à coleta de dados, 52 milhões de pessoas compraram algum livro, em papel ou em formato digital. Dos que costumam comprar livros, 35% utilizam livrarias físicas, 14%compram em bancas de jornal e revista, 12% fazem aquisições online e 9%procuram sebos, entre outras alternativas.

Metolodogia

A coleta de dados foi encomendada ao IBOPE Inteligência, por meio de entrevistas domiciliares, face a face, com registro das respostas em  tablets, e aconteceu entre 28 de outubro de 2019 a 13 de janeiro de 2020, ou seja, meses antes da pandemia resultante do coronavírus, não havendo, portanto, interferência dessa situação na realização ou nos resultados da pesquisa.  

No total, foram realizadas 8.076 entrevistas, em 208 municípios, sendo 5.874 nas capitais de 26 estados. Os resultados da pesquisa podem ser analisados para o total do Brasil, pelas cinco regiões e por capitais. Eles foram ponderados considerando os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) de 2017, do IBGE. Comum intervalo de confiança estimado de 95%, a margem de erro máxima estimada é de 1,1 p.p. para mais ou para menos, sobre os resultados encontrados no total da amostra.

Novidades da quinta edição

Nesta edição da Retratos da Leitura no Brasil, o número de entrevistas foi ampliado de cinco mil para oito mil, permitindo a leitura dos resultados por capital, além das cinco regiões brasileiras.

Esta edição também dedicou um módulo específico aos hábitos de leitura de literatura dos leitores brasileiros, com mais dados sobre os fatores e influências no interesse por literatura, autores preferidos e formatos e/ou dispositivos escolhidos.



Você também pode gostar